28 de jul de 2015

[Resenha] Lolita - Vladimir Nabukov





Essa é a edição que eu tenho.
Livro: Lolita
Autor: Vladimir Nabukov
Editora: Companhia das Letras
Ano: 1998 (2° reimpressão)

Sinopse: Um homem de meia-idade, obsessivo e cínico. Uma garota de doze anos, perversamente ingênua. A química se faz da origem a uma obra-prima da literatura do nosso século XX. Lolita é chocante, desafia tabus, escandaliza. Ao mesmo tempo que mostra o escritor maior Vladimir Nabukov, que une o humor devastador de um Voltaire ao desespero existencial de Dostoievski.


Irreverente e refinado, este livro é uma aventura intelectual que não deixa ninguém indiferente. Lolita, um relato apaixonado de uma sensualidade alucinada, uma autópsia implacável do modo de vida americano e, sobretudo, um grande romance.





Resenha

Oi galera! Sim vocês leram certo, hoje vamos mostrar um pouco sobre Lolita, do autor Vladimir Nabukov. A proposta do livro não é apreciada por muitos, pois retrata a paixão obsessiva de um homem de meia idade por uma garota de 12 anos. Encarado e descrito várias vezes como um “romance erótico” “sujo” e “pervertido”, Lolita, que também é o apelido da protagonista Dolores Haze, é um romance totalmente fora dos padrões.  

A trama é narrada por Humbert Humbert, um professor francês de meia idade que se muda para os EUA e hospeda-se na casa de Charllote Haze, mãe de Dolores.  Porém, logo Humbert se vê perdidamente apaixonado por Dolores que posteriormente vem a ser a sua enteada.
Pela manhã ela era Lô, não mais que Lô, com seu metro e quarenta e sete de altura e calçando uma única meia soquete. Era Lola ao vestir os jeans desbotados. Era Dolly na escola. Era Dolores sobre a linha pontilhada. Mas em meus braços sempre foi Lolita.”
– Página 13
Dolores Haze, segundo a visão de H.H. não é apenas uma menina comum e sim a personificação de uma ninfeta. Que de acordo com a lenda seria uma menina com pouca idade, com o poder de seduzir um homem com bastante destreza e habilidade. Dolores é apoderada de uma volúpia marcante, e muitas vezes nos faz duvidar se toda a sua sensualidade é completamente proposital mascarada com a sua áurea infantil ou se é totalmente inconsciente de que exala tanto poder de sedução.
“Lolita, luz da minha vida, fogo da minha carne. Minha alma, meu pecado. Lo-li-ta: a ponta da língua toca em três pontos consecutivos do palato para encostar, ao três, nos dentes. Lo. Li. Ta.”
- Página 13
A história realmente começa quando Charlotte, ler o diário de H.H., que conta a paixão obsessiva que ele sente por Dolores. Revoltada Charlotte sai com o carro e acabada sofrendo um acidente levando-a a morte. Depois dessa desventura H.H. oportunamente se torna o tutor legal de Dolores. Logo depois eles viajam pelo país, e a relação nada casta entre os dois cresce cada vez mais.

O tempo vai passando e Dolores começa a frequentar uma nova escola e a fazer novas amizades, fazendo com que os ciúmes de H.H. cresçam ainda mais em relação à menina.  Com a personalidade forte da garota e os ciúmes crescente de H.H o tornam deslumbrado a muitas coisas não tão verídicas que acontecem no decorrer da trama.

A relação amorosa entre os dois personagens é o tópico intenso no livro, pois apesar da influência sem pudores que entrelaça a relação dos dois, o livro não tem passagens eróticas explicitas, como muitos esperam. Nabukov apenas expressa a paixão doentia de Humbert e o comportamento cheio de lascívia de Dolores.



                                Minha Opinião

Bom é mais que válido expressar o quão magnífica foi a escrita de Nabukov, o livro fora perfeitamente descrito, recheado detalhes, tornado-o fascinante e que nos permite enxergar-lo através de outra perspectiva. Humbert, fora um homem pervertido? Sim foi, mas muitos são não é? Ele foi um pedófilo? Sim ele foi pelo fato de ter um relacionamento com uma garota menor de idade, entretanto a diferença nessa trama é o amor. H.H. ama sua Lolita e não procura somente por prazer, ele quer que a impetuosa Dolores seja feliz, sentimento que ele deixa explícito em várias passagens do livro.

Contudo, Lolita fora uma obra repleta de opiniões mistas, que causou muita polêmica - e causa até hoje. Logo, fica a encargo de cada um julgar a história, como propôs o autor. Então até onde podemos afirmar que Humbert fora um pedófilo ou um obcecado homem apaixonado?

Nabukov disse que nós leitores, somos o seu júri e nos permite interpretá-lo como quisermos.


Classificação 



Curiosidades 

  • ·         Lolita fora um livro publicado primeiramente em 1955, mas logo ele foi reeditado e publicado várias vezes ao logo dos anos – a minha, por exemplo, é de 1998.

Lolita virou filme! Sim, o livro virou longa-metragem, e duas vezes.

  • ·         Dirigido por  Stanley Kubrick, a obra de Nabukov criou vida no cinema, primeiramente em 1962. O livro fora tão aclamado que mesmo com o conservadorismo da época Lolita foi adaptado as telas do cinema, com grandes estrelas da época protagonizando o “infame” Humbert H. e a ninfeta Lolita.

  • ·         Já em 1998, Lolita foi dirigido por Adrian Lyne que trouxe Jeremy Irons como Humbert Humbert, que em minha opinião fora perfeito desempenhando o papel, Melanie Griffith como Charllote Haze e a bela Dominique Swain como Dolores Haze.

  • ·         Nos filmes Dolores tem 14 anos, contraditório ao livro, no qual Lolita tem apenas, 12 anos.


Bom é isso, espero que tenham gostado! Até a próxima, beijos e jujubas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©